9/29/2005

Um burro com carácter não se mede aos caracteres

Neste momento solene - entra o hino - (heróis do mar, nobre povo), tenho a dizer a todos os lisboetas e suburbanos (palmas), que a cidadania está viva na cidade da Reboleira (nação valente), no bastião da liberdade do convento de Odivelas (e imortal), nas casas de putas falidas do Cais Sodré (levantai hoje de novo), no Forum Picoas (o esplendor de Portugal), nas cervejarias da Almirante Reis (entre as brumas), nas paragens de táxis do Intendente (da memória), no Lux sábado à noite (ó pátria ouve-se a Voz), nos autocarros de velhotes para o cemitério dos Prazeres (dos teus egrégios avós), nas bichas da IC19 (contra os canhões), no Campo Pequeno (marchar, marchar) e em todos os becos e vielas da Olisipo (palmas e crianças abanam bandeirinhas). neste momento solene, um burro avança solitário para ser burro de alter-nativa democrática, com uma candidatura para dar uma patada no poder.





Num país onde toda a gente se senta, um burro põe-se em pé (sirenes, banda filarmónica dos Anjos toca em fanfarra, pin-ups dançam no palco com mamas mais ou menos ao léu, uma delas parece a Janet jackson do Bairro da Boavista).

E agora o meu programa político para mudar Lisboa do mapa, em 26 ideias simples e com menos de 10000 caracteres. Assim que chegar à Câmara Muncicipal de Lisboa fvou fazer o seguinte:

1º Mandar instalar um bar como deve ser no meu gabinete e colocar uma hidromassagem assistida pela vereadora das massagens no WC Pato. A vereadora das massagens será Ética (brasileira ilegal, filiada no PT de Lula e funcionária superior da Associação Elefante Branco)

2º Liberalizar o comércio de drogas leves na Rua dos Bacalhoeiros, e a prostituição no Largo do Cemitério dos Prazeres. Rebaptizar ambas as zonas como Little Amsterdam.

3º Reduzir em 99 por cento o trânsito de pesados na baixa, e em 98 por cento o de ligeiros na alta. Criar uma rede de transportes alternativos com carroças e juntas de bois, com dejectos reciclados em bioenergia para vender aos espanhóis.

4º Fazer renascer a Feira Popular e classificar o combóio fantasma como património da Unesco. Algodão doce à borla para todos os munícipes.

5º Levar os velhos de Lisboa todos os verões de TGV numa mega-excursão a Torremolinos com visitas guiadas do Goucha e da Fátima Lopes.

6º Trazer as hordas das espanholas solteiras para fazerem germinação cultural e coach surfing nos sofás de todos os solteiros de Lisboa.

7º Convidar George Constanza para palestras no Corte Inglês e a extraditar a Maria Teresa Horta para o Irão.

8º Colocar Lisboa no Guiness com o maior arroz de pombo do mundo, num grande evento em que todos os caçadores do país são convidados para um fim-de-semana em lisboa com tudo pago. No fim do arroz de pombo, os caçadores são obrigados a atravessar o Tejo a nado, o último a morrer ganha uma pastilha rennie oferecida pela Associação dos Amigos do Cristo Rei.

9º Fazer uma estátua na margem em frente do Cristo-Rei com o busto de Badaró, só que maior, e com elevador-teleférico para a Esplanada da Graça, conduzido pelo Dr. João Soares, com farda e tudo.

10º Proibir os telemóveis nos jardins e o cócó dos cães nos passeios.

11º Obrigar os deputados a lamber todos os dias as escadarias do Palácio de S. Bento, a bem da diversificação da sua dieta lambona - é que lamber botas todos os dias faz mal ao estômago.

12º Nomear Merche Romero Primeira Dama, com direito a Bentley Flying Spur.

13º Revolucionar a toponímia lisboeta, imortalizando os grandes vultos da cidade. Exemplo: A Avenida da Liberdade passaria a chamar-se Avenida Moita Flores, a Praça da Figueira, passaria a ser a Praça da Isabel Figueira (aliás já convidada para segunda dama);o parque Eduardo Sétimo passaria a chamar-se Parque Pedroso, e a Avenida 24 de Julho, passaria a ser Avenida Vitor Espadinha.

14º Reposição do stock de prostitutas no Parque de Monsanto, que se passaria a chamar Parque Engenheiro Seja Veloso e incluiria um Centro de Alto Treino Para a Tortura de Golfistas, uma zona de lazer para as famílias lisboetas atirarem bolas de golfe à cabeça de golfistas.

15º Reabilitação das tascas de Lisboa, e proibição de bares de design (pintados de verde alface e cor de laranja), de restaurantes vegetarianos e também de casas de sumos e de saladas.

16º Cursos de formação para taxistas, especialmente em línguas e boas maneiras. Todos os taxistas são obrigados a falar apenas em malaio ou esperanto com os seus clientes, a servir chá correctamente e a terem os scones sempre quentinhos.

17ª Fazer uma ponte pedonal na Betesga, e uma rotunda com um chafariz em forma de falo ao fundo da Calçada do Combro.

18º Fazer uma programa de corridas de automóveis nas avenidas Novas, à semelhança do que o Rui Rio fez no Porto e convidar os melhores pilotos do mundo para um vasto programa: Assim, na corrida de camiões do lixo, piloto convidado Fernando Alonso. Na corrida de carrinhas funerárias, correndo pela equipa da Agência Magno - Michael Schumacher, e na corrida de camionetes da distribuição de congelados - Sebastien Loeb

19º Fomentar a prática do desporto, especialmente matraquilhos, dominó e bisca lambida

20º Obrigar os retaurantes de Lisboa a servir batatas fritas não congeladas (uma aspiração antiga), sob risco de perca de licença.

21º Substituir as marchas populares por desfiles sado-masoch, fetichistas, e vá lá, gayzolas para ver se saco uns votos ao Lobby.

22º Organizar todos os domingos touradas com personalidades do jet-set português, no Campo Pequeno. Para o primeiro domingo os forcados amadores são Lili Caneças, Miguel Ângelo dos Delfins, Elsa Raposo e metade do elenco dos Morangos com Açucar. Da parte dos touros, a ganadaria de Dr. Vitorino Salésias da Chamusca.

23º Banir a RFM e afogar em éter o sr. Pedro Tojal

24º Nomear o homem que faz adeus na rotunda do Saldanha, embaixador para a boa vontade de Lisboa e dar-lhe uma pensão choruda a mielas com o Luís Pacheco.

25º Dar incentivos fiscais para a prática de sexo discreto em locais públicos, estimulando a imagem de Lisboa como cidade de amor livre, ideal como destino para os entusiastas do swing, do fox-trot e da salsa e merengue.


Amor livre e Lisboa como capital do Swing e do cha-cha-cha



26º Tratar bem as boas pessoas, e tratar mal as más pessoas.



Este é o programa político que vou aplicar em Lisboa, assim que tiver direito à reforma de autarca. Para atingir este objectivo sou mais do que eu ao leme, é uma vasta equipa de Altos Comissários que desvendarei nos próximos dias e que me vão ajudar a mudar Lisboa do Mapa.

Patada no poder já, porque mais vale um burro em pé, do que os outros sentados.

Assinado
Burro Lúcio, candidato à CM de Lisboa, e depois à Presidência da República Portuguesa

3 comentários:

santos disse...

Eu voto em ti!!!

clô disse...

Depois de ler isto fica a pergunta: 1 programa eleitora pensado a fundo ao longo de 26 dias, ou 26 ideias compiladas num só dia (sem pressas)?

Rui Pelejão disse...

Justa interrogação, para a qual não encontro resposta, que está provavelmente escondida por baixo de uma tangerineira na Ilha de Malta. Dão-se alvísseras a quem encontrar a resposta fugitiva